quinta-feira, abril 19, 2007

porque...


Balada de Coimbra


Coimbra...

é sempre um estado de alma

5 comentários:

eu.osiris disse...

Os ombros suportam o mundo
Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação

(Carlos Drummond de Andrade)

MARTA disse...

Olá, bom dia...
Creio que todos nós temos uma cidade que significa tudo para nós na vida...
Tem um bom fim de semana.
Beijos e abraços
Marta

sonhadora disse...

O sonho. Sempre o sonho a perseguir-me.
Beijinhos embrulhados em abraços

vinte e dois disse...

Coimbra fica aqui bem perto. Não costumo ir lá muitas vezes, mas é uma cidade de que gosto bastante... mas para mim, a minha cidade natal, Aveiro, fica antes ;) Beijinhos e bom fim de semana!

yoshihiro disse...

Não tenho lágrimas
estou mais baixo
junto à cal

Vejo o solo extinto
Não oiço ninguém
e não regresso

Adormecer talvez
junto a uma estaca
com uma pequena pedra
sobre as pálpebras


de Intacta Ferida(1991)

antónio ramos rosa